EMPATIA DE MARCA, UMA ANÁLISE DA MARCA CANSEI DE SER GATO

  • Sarah Giovana Borges Lima
  • Caroline Elise Schnack
  • Gutemberg Alves Geraldes Junior SATC

Resumo

Marca constitui como sendo o elemento mais importante de um produto ou serviço, serve para a identificação e diferenciação do mesmo. O presente artigo analisa a utilização de arquétipos, conceito esse baseado na psicologia, para um branding construído de maneira eficaz, capaz de transformar meros consumidores em fiéis admiradores. Mostra como uma sólida base arquetípica inteligente, propicia um vínculo de confiança e lealdade com o cliente, através de uma comunicação planejada e estruturada. Partindo da seguinte problemática: como a utilização de arquétipos na construção de marca pode promover a participação ativa do consumidor? Para a solução desse problema é que se estabeleceu o objetivo geral, em caráter descritivo, de averiguar qual é a identidade arquetípica presente no posicionamento da marca Cansei de Ser Gato, usada como objeto de estudo. Quanto aos procedimentos técnicos, foi empregado referências bibliográficas para a construção do mesmo, partindo do estudo de artigos e autores conhecidos como Jung (2000), quem propôs e desenvolveu os conceitos de arquétipos e Mark e Pearson (2003), responsáveis por conectar esses conceitos na gestão de marcas. Ao comparar as postagens de Instagram do ano de 2019 da Cansei de Ser Gato, realizou-se um estudo de caso com abordagem qualitativa e foi possível identificar uma linguagem alinhada com uma sólida base arquetípica, utilizada através da personificação do personagem representante da marca, o Chico, o qual gera identificação com o público através da sua personalidade irônica e divertida, pois permite que o consumidor projete a sua autoimagem na marca, gerando uma sensação de empatia e pertencimento a um grupo: os amantes de gatos.

Publicado
2021-04-27
Como Citar
LIMA, S.; SCHNACK, C.; GERALDES JUNIOR, G. EMPATIA DE MARCA, UMA ANÁLISE DA MARCA CANSEI DE SER GATO. Revista Vincci - Periódico Científico do UniSATC, v. 6, n. 1, p. 63-82, 27 abr. 2021.
Seção
Comunicação e Linguagem